9 Mapas antigos que não deveriam viver

Alguns mapas antigos descobertos por pesquisadores contradizem diretamente as crenças e histórias estabelecidas sobre a evolução da humanidade, principalmente no que diz reverência à origem e existência de algumas civilizações antigas que habitaram nosso planeta no pretérito.

Numerosos mapas descobertos são indícios claros de que a história contada hoje pelos estudiosos é incompleta e de que existem inúmeros links faltantes em nossa história. Essas informações incompletas estão relatadas em incríveis mapas antigos, que comprovam que a humanidade que habitava nosso planeta era muito maior do que os pesquisadores acreditam.

Civilizações antigas já tinham um sistema de cartografia extremamente muito desenvolvido, comparável em precisão com o que temos hoje. Os mapas também são evidências de que a humanidade antiga conhecia a forma e o tamanho exato da Terreno, ao contrário das crenças populares.

Confira 9 mapas antigos que contradizem a história

1. Planta de Zeno


Um dos mapas mais intrigantes é o Planta de Zeno. Publicado em torno de 1380, o planta místico representa com precisão as costas dos países modernos, porquê Noruega, Suécia, Dinamarca, Alemanha e Escócia. Misteriosamente, levante planta idoso também descreve a latitude e lonjura exatas de várias ilhas em nosso planeta. Levante é um grande mistério, uma vez que o dispositivo necessário para medir a lonjura, o cronômetro, só foi inventado depois 1765. O planta de Zeno também descreve a Groenlândia livre de geleiras.

2. Planta de Ibn Ben Zara

Mapa de Ibn Ben Zara
Outro planta inexplicável é sem incerteza o planta Iehudi Ibn ben Zara. Criado em 1487, o planta exibe sobras de geleiras na Grã-Bretanha, mas também mostra representações extremamente detalhadas de ilhas nos mares do Mediterrâneo e no mar Egeu. Hoje, essas ilhas ainda existem, mas devido ao aumento dos níveis do mar, elas estão subaquáticas.

3. Planta Camerio

Mapa Camerio
Criado em 1502, levante planta não apresenta características incomuns, porquê fazem outros mapas, mas tem um pormenor muito estranho. O planta Camerio usa uma grade esférica, mas na Idade Média as pessoas não sabiam porquê o planeta era de vestimenta.

4 – Planta Harry King

Mapa Harry King
Criado em 1502, o planta Harry King exibia rios do setentrião da Sibéria, que desaguavam no oceano Ártico. Hoje, a região está por baixo de gelo. Curiosamente, ele também retratava sobras glaciais nos países bálticos e descrevia com precisão o idoso Conduto de Suez.

5 – Planta King Jaime World

Mapa King Jaime World
Criado em 1502, levante planta descreveu com precisão partes do deserto do Saara, exibindo-o de forma muito dissemelhante do que é hoje: com terras férteis, enormes rios e lagos, além de cidades antigas.

6 – Planta Mundial Oronce Finé

Mapa Mundial Oronce Finé
Criado em 1534, é um planta que exibe características da Antártida quando o continente não era vestido pelo gelo. Ele também mostra rios continentais, vales e litorais, ao mesmo tempo em que representa a localização aproximada do que é hoje o Polo Sul.

7 – Planta Hadji Ahmed

Mapa Hadji Ahmed
Publicado em 1559, o planta mostra delimitações incrivelmente precisas da costa ocidental da América do Setentrião e da Antártida. O que é ainda mais incrível é o vestimenta de que levante idoso planta mostra uma conexão de ponte terrestre da Sibéria e do Alasca.

8 – Planta do Setentrião de Ptolomeu

Mapa do Norte de Ptolomeu
Levante planta descreve áreas glaciais que se deslocavam pelo centro-sul da Groenlândia. Ele também descreve geleiras na Alemanha moderna (setentrião) e em partes do sul da Suécia.

9 – Planta de Buache

Mapa de Buache
Publicado em 1737, por Philippe Buache, o planta exibe a Antártida muito antes do continente “gelado” ser de vestimenta desvelado. Curiosamente, porquê muitos outros mapas antigos, ele descreve com precisão a Antártida sem gelo. Ou por outra, esse planta também posicionou com precisão as Ilhas Canárias.

Confira alguns mapas antigos em livros raros:
Rare Atlases

Fontes: Ancient Code, Steemit.

Base deste teor

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *