Calipsefobia

 

Fobia é todo e qualquer pavor ou impaciência que se manifesta de forma paralisante quando uma pessoa se vê em determinado tipo de situação. São vários os tipos de fobias, mas algumas chamam a atenção de psicólogos e psiquiatras por culpa de seu aspecto irracional e inusitado.

Entre essas fobias diferentes está a Calipsefobia, que é caracterizada por um pavor irracional do término do mundo, ou seja, de um suposto e repentino Apocalipse, uma vez que descrito na Bíblia. Esse pavor se manifesta sem justificativa aparente, e a pessoa que sofre desse transtorno imagina que o mundo possa terminar a qualquer minuto e, por isso, vive em estável reclusão e terror.

O nome dessa fobia já deixa evidente o seu significado: fobia quer expressar pavor e vem de Phobos, enquanto Calipse vem do próprio vocábulo Apocalipse. Por mais que pareça uma fobia rara e até absurda, um número considerável de pessoas sofre deste problema. As consequências diretas da Calipsefobia são:

  • Problemas para conviver socialmente;
  • Temor de transpor de morada;
  • Prejuízos profissionais e afetivos;
  • Suor frio;
  • Impaciência;
  • Batimentos cardíacos acelerados;
  • Entre outras.

Assim, similar a todas as outras fobias, a Calipsefobia é completamente irracional, ou seja, a pessoa que sofre deste problema pode até não estar vivendo uma prenúncio verdadeira e real, mas se sente perseguida pela teoria de o mundo completar. Os sintomas se tornam ainda piores quando essas pessoas assistem programas de televisão, telejornais e filmes ou escutam histórias sobre o apocalipse ou, até mesmo, sobre desastres naturais.

Esse tipo de fobia precisa de tratamento especializado, a termo de fazer com que a sensação de pavor e o pavor de uma provável tragédia sejam afastados. Caso contrário, a pessoa viverá sempre aterrorizada com a possibilidade de morrer em um Apocalipse.

Apocalipse, cidade em ruinas

A recomendação é buscar ajuda profissional, com um psicólogo ou psiquiatra. Vale ressaltar que o quadro de fobia é diagnosticado quando a sensação de pavor súbito prevalece por mais de seis meses. O tratamento mais geral é aquele realizado com a combinação de psicoterapia e medicamentos específicos receitados pelo médico, como antidepressivos, por exemplo.

A falta de tratamento para as fobias pode fazer com que uma pessoa se isole do mundo, perda seu ofício, tenha problemas de relacionamento com a família e, em casos mais graves, pode levar ao suicídio. Por isso, a ajuda médica é importante nessas situações, principalmente quando a fobia se manifesta em adolescentes e jovens.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *