Nipónico é obrigado a viver em sociedade depois de 30 anos só

Masafumi Nagasaki, um nipónico que vivia só em uma ilhéu paradisíaca do Pacífico, foi obrigado a ceder o seu estilo de vida. Ele vivia sozinho há mais de 30 anos, andava nu e passava os dias observando filhotes de tartarugas e procurando vitualhas, mas foi forçado a viver na sociedade japonesa tradicional.

Nagasaki, de 82 anos, teve uma vida simples na remota ilhéu de Sotobanari por quase 30 anos, depois de se mudar para lá para fugir da vida urbana. O idoso foi resgatado forçadamente pela polícia do sudoeste do Japão, depois de as autoridades receberem relatos de um grupo de pessoas de que ele parecia fraco e doente.

Quando Nagasaki foi encontrado, ele “provavelmente só estava com gripe”. Agora, ele não pode voltar para Sotobanari, a pequena ilhéu desabitada e com exclusivamente 800 metros de diâmetro.

Nagasaki chegou pela primeira vez em sua ilhéu paradisíaca em 1989. O varão, que veio a ser chamado de “o eremita nu”, não fala sobre seu pretérito, embora tenha indicado que foi casado e teve dois filhos.

Há também sugestões de que ele havia trabalhado porquê fotógrafo, em uma fábrica e no obscuro bairro da vida noturna de Osaka antes de dar as costas à cultura. Inicialmente, Nagasaki disse que pretendia permanecer na ilhéu desabitada por alguns anos, mas gostou tanto do seu novo estilo de vida que resolveu morar permanentemente no lugar. “Na cultura, as pessoas me tratavam porquê um idiota e me faziam sentir porquê um”, disse o nipónico eremita. “Nesta ilha, não me sinto assim”. “Aqui na ilha, eu não faço o que as pessoas me dizem para fazer, apenas sigo as regras da natureza”, acrescentou.

Nagasaki passou seus primeiros anos em Sotobanari usando as roupas que trouxera do continente, mas um grande tufão varreu a maior segmento de suas posses, portanto ele decidiu viver nu.

Rosto do Senhor Nagasaki

O varão seguiu uma rotina rigorosa durante seu tempo na ilhéu, permanecendo dentro de sua tenda para evitar ser picado por insetos. Ele também realizava uma série de exercícios matinais na praia. Grande segmento do resto do dia era gasto procurando vitualhas.

Uma vez por semana, ele colocava algumas roupas e ia de navio para uma ilhéu vizinha, onde podia comprar comida e chuva potável, usando o numerário que era enviado pela família. A intenção do nipónico era morrer em sua ilhéu paradisíaca, mas, ao que tudo indica, a sociedade e suas regras decidiram que não é seguro para o idoso viver totalmente só do mundo.

Manadeira: Telegraph.

Base deste teor

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *