Médicos confirmam caso raríssimo de mulher que urina alcool

Uma mulher, na cidade de Pittsburgh, acabou se tornando a primeira pessoa viva a ser documentada com uma condição rara: ela urina alcool. Os médicos conduziram uma série de investigações do caso e publicaram o resultado dessa investigação no Annals of Internal Medicine.

A condição, que os pesquisadores propõem invocar de “síndrome de fermentação da varíola” ou “síndrome da autoperfuração urinária“, é semelhante a outra condição incrivelmente rara, a síndrome da autopercepção, em que a simples ingestão de carboidratos pode ser suficiente para deixar o paciente embriagado, mesmo sem consumir qualquer álcool por meios regulares.

A mulher, de 61 anos, procurou o hospital com um quadro frágil de lesão hepática e diabetes descontrolada. O caso chamou a atenção dos médicos, que identificaram que alguma coisa incomum acontecia e, após alguns testes, a confirmação da condição rara foi obtida. Mas o impressionante é que a primeira suspeita dos médicos foi a mais óbvia, a de que a mulher apresentava lesões hepáticas por insulto de bebidas alcoólicas.

E, por qualquer tempo, esse diagnóstico se sustentou. Isto porque a mulher fazia repetidos exames  laboratoriais de urina e os resultados apontavam altas concentrações de alcool em seu organização. Logo, os médicos começaram a suspeitar que a mulher escondia uma dependência alcoolica.

Acontece que os exames apontavam contradições ao diagnóstico, alguma coisa que levantou a suspeita dos médicos.  Foi exatamente graças a esses exames e a suspeita dos médicos que o diagnóstico foi possível.

“No entanto, observamos que os resultados dos testes de plasma para etanol e os resultados dos testes de urina para etil glucuronídeo e sulfato de etila, que são os metabólitos do etanol, foram negativos, enquanto os resultados dos testes de urina para etanol foram positivos.”

O mais curioso é que, a princípio, a paciente estava no Hospital Presbiteriano do Núcleo Médico da Universidade de Pittsburgh unicamente para entrar para a lista de pacientes a espera de transplante de fímancheia. Mesmo no relato médico, presente no item científico, os médicos destacam que a paciente não apresentava comportamento trocado (que seria procedente, caso ela estivesse de vestimenta bêbada). Além disso, a paciente negava fortemente que fizesse insulto de álcool.

Outro ponto acabou se destacando durante a período de investigação. Os exames apontavam a presença de grandes quantidades de glicose em sua urina – uma condição chamada hiperglicosúria – com níveis abundantes de levedo em brotamento observados em amostras de urina.

Foi através de todos esses testes que os médicos puderam constatar que a mulher, por qualquer motivo, conseguia levedar o açúcar dentro da própria varíola e produzir etanol, o alcool, dessa forma. Por isso, mesmo sem ingerir bebida alcoolica de forma abusiva, ela eliminava tanto alcool na urina.

Os médicos tentaram contornar a situação com administração de remédios, mas a paciente precisou ser encaminhada ao transplante. O item, no entanto, não relata o que aconteceu com a paciente após o encaminhamento.

Os pesquisadores destacam que essa condição pode ter uma incidência maior do que o imaginado, embora esta tenha sido a primeira vez que o caso foi detalhadamente documentado.

O post Médicos confirmam caso raríssimo de mulher que urina alcool apareceu primeiro em Site de Curiosidades.

Base deste teor

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *