Primeiro caso humano de Hepatite E transmitida por rato

Um varão de 56 anos, morador de Hong Kong, desenvolveu o primeiro caso humano de hepatite E transmitida por rato. De conformidade com os pesquisadores, ainda não está evidente porquê o varão contraiu o vírus, mas ele afirmou que pode ter sido em latas infectadas pelos roedores.

A medicina não tinha evidências anteriores de que essa cepa do vírus pudesse ser transmitida para seres humanos por animais. Em universal, a versão humana da hepatite E é transmitida pela ingestão de chuva contaminada.

Uma superfície da residência do varão estava infestada de ratos. Os médicos descobriram o caso depois de realizarem testes que mostraram uma mudança na função hepática do paciente posteriormente um transplante de fígado.

Outros testes mostraram que ele carregava uma cepa de hepatite “altamente divergente” da cepa que afeta humanos. Os pesquisadores da Universidade de Hong Kong disseram que “a transmissão da doença pode ter ocorrido pela contaminação de mantimentos por excrementos de ratos infectados”.

Ainda segundo o relatório, os sintomas da cepa humana da hepatite E incluem icterícia, cansaço, febre, náusea, vômito e dor abdominal. A maioria das pessoas se recupera rapidamente, mas, em alguns casos, os pacientes podem desenvolver um distúrbio de imunodeficiência. A doença também pode ser inevitável para gestantes.

Os médicos responsáveis pelo estudo do caso afirmaram que é geral que animais transmitam doenças aos seres humanos. Tapume de 60% das doenças infecciosas são originárias de animais.

Grande número de roedores em Hong Kong

Um período prolongado de clima quente e úmido causou o aumento da população de roedores em Hong Kong. Isso acabou expondo a população ao risco de doenças transmitidas por ratos.

O varão de 56 anos foi estimado pelos pesquisadores da Universidade de Hong Kong e, posteriormente a realização de exames laboratoriais, o vírus da hepatite E foi revelado. De conformidade com o Dr. Siddharth Sridhar, professor assistente médico da Universidade de Hong Kong, o varão desenvolveu a doença posteriormente ser submetido a um transplante de fígado, em razão de uma infecção crônica por hepatite B.

Mesmo posteriormente o transplante, o varão continuou apresentando sinais de mudança da função hepática, o que fez com que os médicos estudassem o caso de forma aprofundada. Com isso, as investigações revelaram sinais de uma resposta imune à hepatite E.

Com um sequenciamento genético do vírus, os pesquisadores descobriram que se tratava de uma forma da doença que é geral em ratos. O varão recebeu tratamento antiviral. Até o momento, os médicos ainda não descobriram porquê a doença foi transmitida dos ratos para o varão.

Prevenção de doenças

Os médicos acreditam que a medida de controle mais importante para a prevenção de doenças é reduzir a população de ratos em Hong Kong e prometer que não haja lixo nas ruas e nas casas para que os roedores se alimentem.

Martin Hibberd, professor de doenças infecciosas emergentes da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, disse que é “muito improvável” que o vírus possa ser transmitido entre os seres humanos.

Aliás, o sistema imunológico do paciente de Hong Kong já estava comprometido, pois ele havia pretérito por um transplante de fígado que aumentou o seu risco de infecções.

A hepatite pretexto a inflamação do fígado. As formas mais comuns da doença são as hepatites A, B e C, transmitidas por meio de mantimentos e chuva contaminados. Já a forma humana da hepatite E é tipicamente transmitida através de chuva sem tratamento e contaminada.

Fontes: CNN, BBC

Veja também:

Hong Kong confirma seu primeiro caso humano de gripe aviária H7N9

Rato comeu quase 20 milénio dólares de caixa eletrônico

Base deste teor

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *