Top 10 maiores riscos que o mundo enfrentará em 2018

Logo no início de 2018, o presidente do grupo Eurásia, Ian Bremmer, e o presidente do juízo, Cliff Kupchan, escreveram um relatório anual contendo os “Top Risks” do mundo, ou seja, uma lista com os maiores riscos para a ordem mundial em 2018. Eles enfatizaram o indumento de os cidadãos de diversos países estarem divididos e de os governos não estarem governando muito muito, o que pode levar a uma situação de risco generalizado para a tranquilidade, a economia e a ordem mundial.

Os especialistas ainda alertaram para a possibilidade de uma grande crise inesperada em 2018, o que seria equivalente ao colapso geopolítico e financeiro de 2008.

Veja o que o Grupo Eurásia aponta porquê os maiores riscos para 2018!

1. China na liderança global – É provável que, em 2018, a China, cada vez mais poderosa e moderna, assuma o vazio deixado pelos Estados Unidos na posição de líder global. O presidente chinês, Xi Jinping, é “o presidente mais forte desde Mao Zedong”, escreveram Bremmer e Kupchan. O problema dessa relevância é que alguns países já começaram a se voltar contra a China devido à sua “não interferência na vida política e econômica de outros países”.

Porquê afirma o Grupo Eurásia – “Em um momento de incoerência política e disfunção em Washington, o governo da China redefiniu o ambiente externo do país, estabeleceu novas regras dentro dele e desenvolveu a estratégia de investimento e comércio global mais efetiva do mundo”.

2. Conflitos mundiais – Os analistas do Grupo Eurásia estão preocupados com um provável incidente nuclear que poderia desencadear um conflito maior. “Não houve uma grande crise geopolítica desde o 11 de setembro e nenhuma disputa foi criada pelos governos desde a crise dos mísseis cubanos”, afirmaram Bremmer e Kupchan. “Mas agora há muitos lugares em que um erro ou um erro de julgamento podem provocar graves conflitos internacionais”. As maiores áreas de risco são a Península da Coreia, a Síria, a Europa Oriental e o Iraque.

3. Guerra fria de tecnologia global – O relatório do Grupo Eurásia observa que “a maior luta do mundo neste momento se baseia no desenvolvimento de novas tecnologias da informação”, porquê a lucidez sintético e a supercomputação. Bremmer e Kupchan acreditam que os Estados Unidos e a China já disputam o domínio desta questão e tentarão dominar os mercados, especificamente na África, na Índia, no Brasil e na Europa.

4. México – 2018 será um ano decisivo para o México, um país importunado pela prevaricação, violência e pelos cartéis de drogas. Ou por outra, o país ainda enfrenta um lento propagação econômico. Entre as preocupações para o México, com possíveis repercussões mundiais, está o potencial colapso do Tratado de Livre Negócio da América do Setentrião (NAFTA), que prejudicaria desproporcionalmente a economia mexicana.

5. Relações EUA-Ir㠖 Parece que o presidente Donald Trump está mesmo interessado no Irã, de conformidade com a estudo do Grupo Eurásia. O líder dos Estados Unidos está arriscando o frágil conformidade diplomático com o país, mais especificamente o conformidade nuclear, que talvez não sobreviva a 2018.

Trump provavelmente continuará a repelir a influência iraniana, particularmente na Síria, no Iraque, no Líbano e no Iêmen. Haverá também uma coordenação mais profunda com a Arábia Saudita. O Irã, por sua vez, deve voltar a estugar o seu programa nuclear.

6. A erosão das instituições – O Grupo Eurásia acredita que, com a eleição de Trump e a votação do Reino Unificado para o Brexit, existe uma prenúncio concreta contra as instituições que apoiam e sustentam sociedades pacíficas e prósperas. Isso “criará um populismo tóxico nos países em desenvolvimento”, adverte o relatório.

7. Protecionismo – Diante de um intenso sentimento populista, o Grupo Eurásia teme que os políticos sejam forçados pelos eleitores a “adotar uma abordagem mais sem compromisso com a competição econômica global e fingir que eles estão fazendo alguma coisa para mudar o cenário dos empregos perdidos”. Bremmer e Kupchan chamam isso de “Protecionismo 2.0” e afirmam que tudo será dissemelhante no mundo em termos de cotas e tarifas de importação.

8. Reino Unificado – “2017 pode não ter sido divertido para o Reino Unido”, escreveram Bremmer e Kupchan. “Mas 2018 será pior”. A saída do Reino Unificado da União Europeia e as negociações devem encorajar intermináveis lutas sobre os detalhes dessa saída nos dois lados”, de conformidade com o relatório do Grupo Eurásia.

Para aumentar a incerteza, as negociações conduzidas pela primeira-ministra Theresa May podem custar o tarefa dela, fazendo com que ela seja substituída pelo líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn.

9. Políticas de identidade no sul da Ásia – Porquê escreveram Bremmer e Kupchan: “A política de identidade no sul da Ásia vem de várias formas: islamismo, sentimentos anti-chineses e anti-minoritários e um nacionalismo intensivo na Índia”. O relatório aponta para um sentimento crescente do islamismo na Indonésia e na Malásia, para um ressentimento de cidadãos ricos chineses na Indonésia e a perseguição dos muçulmanos de Myanmar.

Na Índia, Bremmer e Kupchan preocupam-se com a retórica patriótico hindu do primeiro-ministro Narendra Modi, que antes das eleições poderia dar cobertura a elementos radicalizados da sociedade, que têm porquê branco os muçulmanos e os hindus de castas inferiores.

10. Segurança da África – O relatório do Grupo Eurásia também se preocupa que em 2018 haja um efusão de violência na “periferia instável” da África, principalmente em países porquê o Mali, Sudão do Sul e Somália, além dos países centrais do continente, porquê Costa do Marfim, Nigéria, Quênia e Etiópia. A militância e o terrorismo são as principais ameaças, mais especificamente os grupos Al Shabaab, Al Qaeda e outros grupos jihadistas e islamistas, porquê o ISIS e o Boko Haram.

Outras bandeiras de destaque levantadas pelo relatório de Bremmer e Kupchan e que precisam ser observadas ao longo de 2018 são: o governo de Trump na Mansão Branca, o horizonte da zona do euro e a situação da Venezuela, onde o presidente Nicolas Maduro consolidou o controle das instituições do país e conta com espaçoso escora militar.

Natividade: Business Insider

Base deste teor

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *